News

A maioria dos pacientes com câncer morre de “caquexia”, não de câncer: leia os detalhes

O que é a síndrome de ‘caquexia do câncer’, uma doença responsável pela morte da maioria dos pacientes? (Representacional)

Nova Delhi:

Quando tumores em pacientes com câncer elevam os níveis de uma molécula do sistema imunológico chamada Interleucina-6 (IL-6), isso pode causar disfunção cerebral grave, o que leva a uma doença letal chamada “caquexia” em cerca de 50 a 80 por cento dos pacientes com câncer, segundo um novo estudo.

Segundo o professor Bo Li, do Laboratório Cold Spring Harbor (CSHL), dos EUA, “é uma síndrome muito grave”.

“A maioria das pessoas com câncer morre de ‘caquexia’ em vez de câncer. E uma vez que o paciente entra nesse estágio, não há como voltar porque essencialmente não há tratamento”, disse ele em um estudo publicado no periódico Nature Communications.

Li e outros pesquisadores da equipe descobriram que bloquear a ligação da ‘IL-6’ aos neurônios em uma parte do cérebro chamada área postrema (AP) previne a caquexia em camundongos.

Como resultado, os ratos vivem mais e têm funções cerebrais mais saudáveis.

“Futuros medicamentos que tenham como alvo esses neurônios podem ajudar a tornar a caquexia do câncer uma doença tratável”, sugeriram os pesquisadores.

Em pacientes saudáveis, a ‘IL-6’ desempenha um papel vital na resposta imune natural. As moléculas circulam por todo o corpo. Quando encontram uma possível ameaça, elas alertam o cérebro para coordenar uma resposta.

De acordo com os pesquisadores, o câncer interrompe esse processo, pois muita IL-6 é produzida e começa a se ligar aos neurônios AP no cérebro.

“Isso leva a várias consequências. Uma é que animais e humanos vão parar de comer. Outra é engajar essa resposta que leva à síndrome de emagrecimento”, disse Li.

A equipe adotou uma abordagem dupla para manter a IL-6 elevada fora do cérebro em camundongos. A primeira estratégia neutralizou a IL-6 com anticorpos personalizados. A segunda usou CRISPR para reduzir os níveis de receptores de IL-6 em neurônios AP. Ambas as táticas produziram os mesmos resultados — os camundongos começaram a comer novamente, pararam de perder peso e viveram mais, observou o estudo.

“O cérebro é tão poderoso na regulação do sistema periférico. Simplesmente mudar um pequeno número de neurônios no cérebro tem um efeito profundo na fisiologia do corpo inteiro. Eu sabia que havia uma interação entre tumores e função cerebral, mas não nessa extensão”, disse Li.

(Com exceção do título, esta história não foi editada pela equipe da NDTV e é publicada a partir de um feed distribuído.)

Source

Related Articles

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Back to top button